PÁGINAS INDEPENDENTES

6 de out de 2012

UMA TARDE... UM GATO...

Quando da separação conjugal, eu recolhi toda a (pouca) autoestima que me restou e recomecei a vida, mas o processo da reconstrução do meu novo EU não foi fácil.

Meu filho mais novo contava 10 anos e foi presenteado, pelo pai, com um gato. O menino e eu cuidamos do gatinho, ao qual demos o nome de Theo e o qual foi o melhor presente que apareceu lá em casa, naquela ocasião.

À medida que o tempo passava eu acompanhava o crescimento do gatinho e, muitas vezes, a autoestima e atitudes independentes, assim como sua confiança em mim, mostraram-me como agir em várias situações cruciais.

Ao entardecer, eu costumava me debruçar na janela da pequena sala e chorar a falta daquele que não chegaria mais... o Theo sempre se punha ao meu lado naqueles momentos e olhava insistentemente para o grande jardim da pequena casa vizinha.

Certo dia, resolvi tirar os olhos do horizonte. Olhei para baixo e vi o que tanto atraia o gato: ali vivia uma galinha.

Por certo, foi inconscientemente que o Theo fez com que eu “caísse na real” e percebesse que eu era muito mais do que uma galinha ciscando sobras...
 
O fato é que o hábito de desesperar na janela desapareceu como que por milagre.

12 comentários:

  1. Minha querida Jan,

    Ainda bem que o "sábio"gatinho soube lhe mostrar o caminho certo e levantar a sua auto estima e você pode levantar a cabeça e perceber o seu valor.Abençoado gatinho!

    Bjsssss e um lindo domingo para você,
    Leninha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Leninha!
      Todos os animais são sábios (uma sabedoria rudimentar) e os gatos são especiais (dentro desse contexto rudimentar).
      "Abençoado gatinho" mesmo!

      Abração procê, amiga!

      Excluir
  2. é jan - a vida nos impõe certas circunstancia dificil... mas ainda bem que há horizontes, há janelas... há sonhos... e assim voce se fez... abraços minha amiga - lamarque

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É amigo Lamarque, "ainda bem que há horizontes, há janelas... há sonhos..." e os animais... e as avós, que nos ensinam "presta atenção na vida."

      Tenha uma boa tarde de domingo!

      Excluir
  3. Jan, não sei se é ficção, ou se é real, mas que emociona, sim, emociona, principalmente pela descoberta de si mesma, de que desesperar na janela, todas as tardes, era o mesmo que ciscar sobras. Sempre acontece comigo, leio, estudo, filosofo, procuro entender (e aceitar...)e de repente, algo muito simples, óbvio mesmo, é que me abre os olhos e a mente, e meu coração se alivia com a descoberta do que estava ali, tão perto, tão na minha frente, no jardim da casa vizinha...

    E os adoráveis e incríveis animais, sempre enxergando mais que nós...

    Adorei o texto! Adorei a conversa e o café!

    um beijo.

    ResponderExcluir
  4. Oi Ligéia, o texto é real sim... eu não tanta criatidade...;-)

    Eu também gosto de filosofar... mas sempre sobre fatos reais.
    Aprendi com as animais a ver o óbvio e a aceitar mesmo sem entender.

    Os animais são incríveis, sim;-)

    Venha sempre conversar.

    ResponderExcluir
  5. Muitas vezes os animais nos mostram o caminho, é necessário que prestemos atenção aos seus recados. Jan, assista no Youtube ou no meu blog"mattiva" um vídeo propaganda da Panvel, tenho certeza que irás adorar!
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  6. Oi Sonia, bom ver gente nova por aqui!
    Vou lá te "conhecer" já, já ;-)

    ResponderExcluir
  7. Dizem que os animais domésticos atraem para si todo o negativo que está ao redor, como se fossem pára-raios. Seu gatinho sentia a sua tristeza e era lhe solidário. Como um amigo que oferece seu silêncio, por que as palavras, qualquer uma, em alguns momentos são desnecessárias, podendo até ser demais. Beijus,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É ISSO AÍ, LUMA ROSA (gostei desse nome)!

      Abç Jan

      Excluir
  8. Eu já tinha lido este post há uns dias, mas só agora vim para comentar.
    Penso que os animais tenham uma percepção muito grande, principalmente em momentos tensos ou de tristeza e solidão os quais nos encontramos por vezes.
    Eu gosto de cachorros, muito, mas não deixo de admirar a independência, a postura firme que o gato tem de fazer somente o que ele quiser e não ter preocupação em agradar a ninguém, nem mesmo aos donos! É impressionante.
    E quando querem, parecem ser ótimos companheiros.

    => CLIQUE => Escritos Lisérgicos...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "quando querem..." é o que mais me encanta nos gatos.
      Mas, não se pode amarrar um gato pela coleira, como se fosse cachorro... e os vizinhos implicavam muito.
      Quando os dois gatos que tive se foram, comprei um Dog;-)

      Excluir

QUE BOM QUE VOCÊ VEIO!
PRETENDO RESPONDER AO SEU COMENTÁRIO...
SENTE-SE, TOME UM CAFEZINHO E CONVERSE COMIGO.

VOLTE SEMPRE