PÁGINAS INDEPENDENTES

26 de set de 2012

Na esteira do assunto focado no último post, venho mostrar alguns cuidados que tenho tido, na preservação do planeta que começa aqui em casa.


Na sala da minha casa, havia uma "arvorezinha", destas com pequenas lâmpadas "led" nas extremidades dos  galhos protegidas por pequenas florezinhas de acrílico(?)transparente, que era utilizada como luminária. Um dia, as luzes se apagaram... desmontar e arrumar sairia mais caro do que adquirir uma luminária nova.
Jogar fora??? Mais lixo???E, assim, os galhos da árvore sem luz ganharam novas flores: bijouterias e jóias... e está no meu quarto.

                                                                                                               No banheiro, usamos saquinhos de papel para forrar o cestinho e assim, temos saquinhos plásticos a menos jogados por aí...





Um dia, estive olhando meu quintal, todo impermeável, e fiquei triste... então decidi que cada metro quadrado que eu puder tornar permeável, vale a pena... então lancei mão dos meus poucos conhecimentos de paisagismo (adquiridos num curso informal e muito eficaz...). Contratei uma pessoa para o serviço braçal e encaramos a pequena obra:
Tira-se a calçada (impermeável*... por questão estética, deixamos uns 15 cm de lajota em cada lado). Cava-se de 20 a 30 cm no chão e preenche-se o espaço com brita (nº 2). Em seguida espalhei seixos brancos por cima, só pra ficar bonitinho** ;-). Um pequeno deck de bambu e está pronto meu cantinho "verde" (no sentido ecológico da palavra).
E ASSIM, A NATUREZA TEM UM PEQUENO GANHO... MINHA CONSCIÊNCIA FICA 'ECOLOGICAMENTE' TRANQUILA... EU DURMO MELHOR...
* Impermeável = não deixa a água penetrar.
** Não devemos abusar do uso das chamadas pedras de rio... a água leva centenas de anos para esculpí-las e  ninguém consegue esculpir com a mesma perfeição/irregular;-)


21 de set de 2012

O POÇO


Quando alguma pessoa se entrega a algum hábito ou tipo de vida pessoal considerada ilegal ou imoral, costumamos dizer que “ela só vai se perceber, quando chegar ao fundo do poço”... o fundo do poço é assustador e tenebroso, mas sempre existe a chance de alguém nos tirar de lá.
Mas... agora estou ficando apavorada, pois estou vendo a humanidade cavar seu próprio poço e caminhar pra ele, sem chance de que alguém “jogue a corda”, pois não vai sobrar ninguém... nem corda.
Quando Deus fez este planeta (não sei como nem quanto tempo levou, mas algum Ser Superior deu o pontapé inicial ou lançou a pedra fundamental e este Ser é Deus) o fato é que a humanidade ganhou o Mundo de presente e recebeu o “habite-se” da Terra, com árvores, água, animais enfim, um grande potencial de VIDA e a única condição de cuidar dela... e estamos destruindo nosso patrimônio natural, por ganância e comodismo.
Não vou estar aqui pra cair no poço... mas a minha descendência humana vai e não quero deixar um planeta totalmente árido para as futuras gerações... estou tentando fazer minha parte, mas preciso de ajuda!

AMIGOS!
DESSA VEZ NÃO DEVEMOS ESPERAR O FUNDO DO POÇO!

PAREM! 

PENSEM! 

CUIDEM! 

PERCEBAM!

19 de set de 2012

1ª BC PROPOSTA PELA VERINHA


PAPO PROFUNDO... MAS, VAMOS ENCARÁ-LO BEM "ACHOLOGICAMENTE"...*
O sexo é uma parte importante da vida humana, mas... é apenas uma parte e não tudo. 

Não é uma necessidade fisiológica... é mais emocional e menos vital.
Assim como não vejo nenhum “pecado” em ter-se uma vida sexual saudável, aceito plenamente quando alguma pessoa faz opção por uma vida assexuada (sem a prática do sexo).

Para mim, a prática do sexo é complemento de um envolvimento afetivo pessoal e qualquer pessoa normal pode, por circunstância ou opção, não se envolver com ninguém e, assim, nunca sentir um 'friozinho na barriga'.

Cada pessoa tem um aparelho genital (isso é anatômico) e tem a opção de usá-lo SE quiser.

* BASEADO EM ACHOLOGIA PURA.

15 de set de 2012

PRETINHO BÁSICO


Sou um cão e me chamam Dog. Acho que vim viver nesta casa para preencher o espaço deixado pelos gatos.   
Meu nome confirma que, apesar de ser pequenino e fofinho, eu não sou cat...
Coisas de humanos. Ignoremos este pequeno detalhe.
Interessa mesmo é que sou indispensável, pois ninguém pode ignorar um “pretinho básico”.
Vivo muito bem aqui. Tenho casa, comida e roupa lavada. Vocês até podem estar pensando que cachorro não usa roupa. Mas eu uso sim. Uso meu “casaquinho de pele”, que é lavado semanalmente... comigo dentro dele.
Às vezes é aqui mesmo, na minha banheirinha e outras vezes, vou a um salão de beleza que os humanos chamam de Pet Shop. É meio chato ir lá, mas eu saio tão limpinho e bonito! Meu “casaquinho de pele” fica tão sedoso e macio! Faço um tipo de depilação chamada de Tosa Higiênica. Ainda bem que “mamãe” avisa para que não me ponham perfume: assim como qualquer cão tenho o faro aguçado e posso ficar estressado, sendo ‘perseguido’ por um cheiro estranho e irritante.
Quando faz frio, empresto meu “casaquinho de pele” para a “mamãe”... comigo dentro, é claro. E aí eu ganho um colinho extra... é tão bom!
Bom mesmo era quando “mamãe” me levava para trabalhar.
Vardade! 
Eu trabalhei de verdade, visitando crianças sem mamãe e outras que são deficientes... O que será ser deficiente????
Sinto falta daquele trabalho formal... mas vou considerar que fui aposentado precocemente e minha atividade é passear pelos shoppings... "mamãe" gosta quando as pessoas param pra brincar com o "cachorrinho bonitinho" e nem prestam atenção a ela...

Também costumo caminhar diariamente, brinco de bolinha e faço passeios em lugares bonitos.

13 de set de 2012

UMA PÁGINA DO MEU DIÁRIO - BC do Diários de Bordo

Este blog (ASSIM, ASSIM) não é exatamente um diário, mas um dia narrei todas as minhas atividades e postei aqui sob o título "ROTINA, EU?????".
Hoje, participando dessa BC, achei apropriado fazer esta re-postagem.

Logo pela manhã, a cuidadora saiu com os “pequenos de dentro” e, enquanto isso, saí pro quintal e fiz a visita diária ao “grandão de fora”, quando observei se está tudo bem com ele e “fiz a média” diária, deixando-o entrar na casa e farejar tudo... ele deu uma volta e saiu. Juntos, “montamos guarda” no portão e esperamos pela volta dos “pequenos”. Quando viu a Maria entrando com Dog, Luna e Bidu, o Leo entrou no canil e esperou que eu fechasse a porta... quando isso aconteceu, Maria soltou as guias dos “pequenos”, que correram alegremente pelo quintal, deram latidinhos amigáveis  pro Leo e, quando entrei, os pequenos entraram comigo. Maria fechou o portãozinho que impede a passagem pro quintal e abriu o canil. Aí entramos e ganhamos, todos nós, a primeira porção de ração do dia;-)... A minha costuma ser mais saborosa e variada, mas é MINHA...
Nesse meio tempo, chegaram a “secretária do lar” (Nilda) e a “secretária particular” (Bete).
Com a ajuda da Bete, fui a mais uma sessão de equoterapia. Estavam lá terapeuta e o auxiliar/condutor e mais a égua Madalena, que eu montei... mas o “meu” cavalo Bill tinha “baixado veterinário”... Quando acabou a sessão, eu soube que o Bill estava na "recuperação" e fui fazer uma visita ao doentinho, que me pareceu (quase...) bem. Eu havia sido informado de que o Bill havia sido “dispensado” por não querer comer os agradinhos que os pacientes levaram (cenoura... maçã...) e porque se deitara. Mas, quando (entre atolamentos, sacolejos e cavalos que circulavam pelos próprios caminhos) fui vê-lo, ele se recuperava bem, pois estava de pé, pastando e seus grandes olhos brilhavam como sempre. O Bill só estava sujo... muito sujinhão;-)...
Depois de “fazer média” com todos os bichos que ajudam a cuidar de mim, fui às compras em lojas de decoração. Adquiri alguns objetos especialmente necessários e depois “enchi os olhos” olhando ambientes belíssimos e “enchi a alma” angariando ideias pra minha casa.
Sempre sob os cuidados da Bete, voltei pra casa. Já eram 16:30h e os cachorros me receberam com  a efusividade de sempre... apenas me farejaram mais do que o normal, pois eu trazia uma grande diversidade de informações...
Bete dormiria aqui, pois era folga semanal da Maria. Preparou meu banho.
Entrei na banheira e relaxei por mais de meia hora. Então chamei a Bete, que me ajudou a terminar o banho e sair da banheira. Eu estava quase totalmente vestida, quando o celular da Bete tocou... era da “escolinha” do netinho dela e escutava-se a criança (2 anos) chorar convulsivamente... ninguém fora buscá-lo...
Terminamos rapidamente, Bete me deixou na cama e foi buscar o menino, enquanto eu fiquei na companhia dos cachorros que me rodearam quietos e atentos... senti-me muito segura e confortável!
Logo a Bete chegou, trazendo o Bryan... o menino “magoou”;-), mas logo estava por ai alegre, interagindo com humanos e caninos.
Lá pelas tantas, o Leo fez coco e a Bete foi limpar. O  Bryan foi junto e eu o escutei falando: “_ Leo, não pisa coco!”. Depois a Bete foi pôr a coberta no canil, e o Bryan: “_Leo, péia! Vovó pondo cobeita!".
Às 21:00h, o Bryan foi dormir... e dormiu rapidinho.
Tão bonitinho!!!!!!
Hoje a Bete saiu daqui 08:00, pois é folga dela... e, consequentemente, minha também.
Estou “pijamando” o dia todo;

Rotina, eu???????

8 de set de 2012

A SUSTENTÁVEL FRAGILIDADE DA CRIATURA


Numa tarde, tudo estava calmo quando entrei na casa, vindo do quintal. Na entrada da varanda envidraçada, vi uma pequena ave ferida no chão, tão frágil e, ao mesmo tempo, tão corajosa.
A avezinha foi posta sobre um muro, a salvo de alguns predadores. Dali, o frágil animalzinho sumiu...
Alguns dias depois do episódio, escrevi um conto.
Enquanto eu escrevia, tudo foi ficando claro: eu não preciso temer pelo meu futuro, pois sempre haverá uma mão forte e cuidadosa para me pôr a salvo. 
Acredito que a ajuda oferecida por Deus através dos bichos possa estar na simplicidade de um pequeno passarinho caído em nosso caminho.

A SUSTENTÁVEL FRAGILIDADE DA CRIATURA

Exibindo sua brilhante plumagem, um beija flor, ao qual doravante chamaremos de Tiquinho, voava livre e feliz de flor em flor, alimentando-se de néctar. Um dia, passeando por um jardim, Tiquinho viu um porta aberta e entrou. Entre as paredes da casa, sentiu-se preso. Quis sair.
Utilizando sua característica de parar em pleno voo, ele observou com atenção e sagacidade aquela espécie de caverna onde havia entrado e viu a luz do sol do outro lado. O sol era brilhante e parecia chamá-lo.
Acionando toda a força de suas pequenas, velozes e fortes asas, Tiquinho voou em direção à liberdade.
De repente:
Um forte estrondo interrompeu o voo de Tiquinho. A claridade entrava por uma grande janela de vidro, que estava fechada!
Caído no chão, com o grande bico imóvel e com as asas esticadas formando um ângulo de noventa graus com o pequenino corpo imóvel, dor e medo se misturavam motivando os pensamentos que vagueavam desordenadamente dentro da pequena e dolorida cabeça de Tiquinho:
—Aaii! Não consigo voar! Não consigo sequer mexer meu pequeno corpo! Eu, que sempre me vangloriei de pertencer à única espécie animal que pode voar sem precisar de equipamento. Posso também voar para trás, para cima e para baixo e agora estou aqui estatelado no chão, à mercê de predadores.
Predadores? Tomara que não venha aqui, agora, um daqueles de corpo esbelto, de andar rápido, silencioso, elegante, unhas afiadas, sutil e cruel... muito sutil e muito cruel!
Então, tão exausto quanto dolorido, Tiquinho fechou os olhos e seu pensamento voou para quem ele nunca vira, de quem por vezes esquecia, mas cuja existência, poder e sapiência conhecia muito bem através da existência das flores tão belas e doces, colocadas na natureza à sua disposição e alcance.
—Ei! Você que me criou! Olhe para baixo! Sei que não deveria ter entrado nesta caverna, mas entrei. Entrei por que... porque sou uma simples e tola criatura! Mas Você sabe disto e eu sei que posso contar com Você: valha-me!
Passado um espaço de tempo que para Tiquinho pareceram horas intermináveis, uma mão forte sustentou com cuidado seu frágil corpinho ferido e o colocou num lugar onde ficasse a salvo dos predadores e, de quebra, onde ele pudesse sentir o sol e ouvir o canto de outros pássaros.
Tiquinho adormeceu tranquilo e sonhou que estava novamente voando e beijando as flores.

5 de set de 2012

MERA REFLEXÃO


QUANDO SETEMBRO VIER...
SETEMBRO SEMPRE VEM... 
SETEMBRO NUNCA FALHOU... 


Este mês é o 62º SETEMBRO desde que eu nasci, mas...
Desconfio que SETEMBRO já vinha antes de mim, e continuará vindo depois de mim.
Em todos os anos, depois de agosto, SETEMBRO chega majestoso e, triunfante, sobrepõe a delicada e colorida Primavera ao poderoso e cinzento Inverno.
O Inverno resiste ainda um pouco a SETEMBRO... mas os ventos são menos violentos e as nuvens vão ficando claras e altas sob uma atmosfera mais azul sobre folhas ainda ressecadas pelo frio, protegendo tímidas gramíneas, ensaiando coloridos mais fortes.
SETEMBRO é um mês que vem envolto numa armadura dourada, lançando dardos de luz e cores, preparando a Natureza para receber a PRIMAVERA.

1 de set de 2012

O LIMITE DE CADA UM


Estou aqui “de molho” e sentindo, no corpo, o resultado do abuso de autoridade dos  homens sobre os bichos.
Para me distrair, assisti um filme. Um filme que todo ser humano deveria assistir atentamente e ler nas entrelinhas, para entender que os animais obedecem à autoridade/homem porque assim lhes foi determinado pelo Criador e eles cumprem a determinação, por instinto.
Trata-se de O PLANETA DOS MACACOS – A ORIGEM e, por detrás de uma produção cinematográfica fictícia, podemos ver o que pode acontecer se o homem abusar da autoridade que lhe foi dada.
Nós, os humanos, temos o Dom do Raciocínio e devemos usá-lo para conhecer as particularidades de cada animal irracional e respeitá-las...                                                                            

Gente, vamos ficar "de olho" nos 
bichos, pois eles estão "de olho" em nós há muito tempo!!!

E que o homem nunca pense em medir força física com um bicho...