PÁGINAS INDEPENDENTES

30 de jan de 2013

SOBRE CÍRCULOS


O médico disse:
-“Vejo você andando em círculos.”
Já em casa, pus-me a refletir... Círculo é o contorno de qualquer objeto circular... um planeta, por exemplo.
Ando em círculos, sim (como todo mundo...), mas não ROTAÇÃO em torno do meu umbigo ;-)...
Faço uma espécie de TRANSLAÇÃO... de vez em quando tento ampliar o diâmetro do círculo e forço os limites... mas só consigo que o círculo assuma a forma ovalada, mas me mantém dentro dos seus/meus limites... e logo o centro gravitacional do planeta “fecha o círculo”...  
A distância que podemos andar em linha reta depende do diâmetro do círculo e meu “planeta encolheu drasticamente”.
Há limites que podemos desafiar, mas nunca transpor.


Acho que vou pedir licença ao PEQUENO PRÍNCIPE, pra acomodar-me ao seu lado e ficar vendo o sol se pôr... 



                                                    





Ou talvez eu peça carona a um
 bando de aves migratórias...

26 de jan de 2013

UMA IMAGEM - 140 CARACTERES

Esta postagem é parte de um desafio/projeto/BC ... a ideia partiu do parceiro Christian V. Louis, do blog ESCRITOS LISÉRGICOS .
Eu aderi porque gostei muito... 


A vida nos dá toques interiores para não precisarmos nos quedar ansiosos, esperando inutilmente por toques exteriores.






23 de jan de 2013

CHEIROS

23ª Blogagem coletiva Café entre amigos= Top 10 cheiros preferidos

BC irresistível... aqui está minha participação: Goiaba, sempre será a nº 1, tanto mereceu um poema escrito no ano 2000. Os demais cheiros não obedecem ordem cronológica ou de preferência.

 1 - GOIABA (... ou goaiabeira, cheiro de...)
INFÂNCIA
 Goiaba, de comer no pé
da árvore grande
na porta do pomar.
Melhor que goiaba, goiabeira
de subir, balançar, cair...
Goiabeira é "casinha", "circo", "escolinha".
Goiaba.
Cheiro bom de lembrar.
Melhor que goiaba, goiabeira.
Na porta do pomar.

2 - CHÁ DE CAPIM LIMÃO -Na 1ª vez em que fui à praia (Caraguatatuba) havia Capim Limão na praça central da cidade. Meus primos e eu colhíamos alguns ramos e a VóNê fazia chá e a gente tomava. Suávamos pra caramba ;-) mas ninguém ficou desidratado...

3 - PRAIA - bronzeador... protetor solar... eventuais colônias... tudo misturado ao cheiro do mar me faz sentir bem.

4 - CAFÉ - especialmente quando ainda está sendo coado... e eu sou a visita ;-)

5 - FLORAIS (talco... pó de arroz...) - principalmente no pescoço... como vovó.

6 - FESTA DE CRIANÇA PEQUENA - gente perfumada, cheiro de docinhos e salgadinhos... é um cheiro alegre.


7 - TERRA MOLHADA - nas primeiras gotas de chuva, ou depois da chuva... é um cheiro vivo.

8 - CANELA  - gosto... porque gosto, uai!

9- GRAMA SENDO CORTADA - pode ser no meu jardim... aqui no condomínio... na rua... o cheiro me faz bem!

10 - PÃO, BOLO OU BISCOITO ASSANDO - tem cheiro de aconchego... de BOM DIA!... de SEJA BEM VINDO!

22 de jan de 2013

(A)VENTURA

PRECISO COMPARTILHAR AQUI: hoje tive uma consulta médica e, ao sair do consultório, lembrei que estava a meio caminho da Hípica... num impulso, resolvi dar uma incerta até lá... e fiz uma visitinha pro Bill (meu amigo cavalo...).
Nem lembrei das férias...
Acertei por um triz... o Bill chegou ontem e estava lá... fui autorizada a entrar nas baias e lá encontrei dois dos condutores dos cavalos na equoterapia, que me receberam gentilmente e indicaram o caminho... o Bill estava na última baia em um corredor com seis baias de cada lado... um corredor guarnecido por doze pares de grandes olhos observando curiosamente aquelas duas mulheres, uma empurrando uma cadeira de rodas e a outra sentada.
Quando cheguei na frente do Bill, ela esticou o pescoço e me cheirou... passei a mão na cabeçona dele... afinal, nos reencontramos.
Sei que é difícil imaginar a minha satisfação, mas foi uma aventura venturosa e que, pra mim, não teve preço.
Foi uma pena eu não ter fotografado a aventura de hoje!


OBS: A foto acima é de alguns meses passados.

17 de jan de 2013

PLANTAÇÃO E COLHEITA


Tenho lido comentários de usuários das redes sociais (entre eu ponho a blogosfera...) e neles tenho sabido das mais diversas opiniões e dos mais diversos usos da NET, então resolvi publicar como e porque tenho me ENREDADO...

Uso a internet para me comunicar... 'dedografo' com dificuldade, mas quem lê não percebe isso e, assim, não imponho minha limitação a ninguém...
Procuro não ficar dependente, nem maníaca, então as redes sociais são, para mim, MEIO e não FIM...

Assim, mantenho um perfil no Facebook e outro (igual...) na Blogosfera, sendo que as conversas no Facebook, onde podemos ir para um barzinho, sentar numa mesa comum e "trocar ideias"... são do tipo casual... do tipo "olá, como vai? eu vou indo, e você tudo bem?" E assim, reencontrei velhos amigos, filhos dos amigos, amigos dos filhos e até inimigos (como na vida).

O Blog é minha "casa no campo",  a qual devo conservar acolhedora e agradável para receber os amigos que encontrei ou reencontrei. 
Aqui eu paro tudo, sento para escutar e escolho bem o assunto sobre o qual vai girar a conversa... na minha “casa no campo” eu planto amigos... livros... e ‘tempero’ tudo com o meu próprio critério de bom senso.

Apesar de encontrar algumas ervas daninhas, tenho feito uma boa colheita virtual...

12 de jan de 2013

UM CAVALO E UM SONHO REALIZADO

Este post é uma reedição (atualizada...) da postagem publicada em 13/10/2012.
Talvez eu volte a fazer EQUOTERAPIA... por enquanto, estou impedida, mas VALEU!!!!!!
FOI ASSIM:

Certo dia, ao chegar na área reservada às sessões de equoterapia, o cavalo Bill (animal 'co-terapeuta') estava amarrado à cerca e sozinho, pois ainda faltavam alguns minutos pro meu horário.
Aproximei-me do animal e falei com ele:
- Cadê todo mundo? Será que não vamos trabalhar hoje?
Para minha surpresa, o animal desmanchou (com a boca) o laço que o prendia à cerca e tentou pôr a rédea na minha mão. Minha cuidadora, rindo, pegou a rédea e o prendeu novamente.
No minuto seguinte, o Condutor e a Fisioterapeuta chegaram e fomos trabalhar.
Ah! O Condutor não viu a cena e não acreditou quando reportei o ocorrido... mas não importa, o que importa é eu ter vivido aquela experiência maravilhosa!!!!!

Durante o tempo em que pratiquei equoterapia, apeguei-me muito ao Bill e, acredito, ele a mim: aquele cavalo foi um instrumento que Deus fez com que estivesse no lugar certo e na hora certa, para que eu pudesse realizar (do meu jeito especial...) o sonho de cavalgar ao ar livre, até o momento em que Ele permitiu que o Bill, através de uma violenta expressão corporal me "dissesse":
"- Basta!"



O sonho NÃO acabou!
Simplesmente, já o realizei.
Sinto apenas que, quando do "incidente", não pude abraçar o Bill e dizer:
OBRIGADA POR TUDO AMIGÃO! NÃO SE SINTA CULPADO.
Eu gostaria de ter o Bill sempre ao meu dispor... mas cavalo não é Pet. 
É, sim, um animal doméstico dito De Fazenda e a realidade é que eu não tenho uma fazenda.


10 de jan de 2013

PENA DE MORTE. SIM OU NÃO?


Lembro de quando cursava Direito... o professor de Processo Penal fez essa pergunta e, em pé ao lado do professor, diante de toda a Turma curiosa para saber a opinião da "mãezona", solenemente eu disse:
-Não sei!
Senti o olhar acusador daquele professor e ouvi a reprimenda:
-"Um profissional de Direito tem que ter alguma opinião!".
...
Passado algum tempo, nós, alunos, fomos levados a presenciar uma sessão do Tribunal do Juri (juri popular). O réu era jovem e o crime fora assassinato numa briga de rua... estava lá sentado, cabeça baixa, mãos algemadas, um "guarda" de cada lado. Depoimento... testemunhas... deliberações e o veredicto: "CULPADO".
Familiares: alguns choravam e, assim, se abraçavam; outros comemoravam e, assim, se abraçavam.
O réu, que se levantara para ouvir a sentença, saiu cabisbaixo e levado pelos "guardas".
A cena foi leve (prum futuro profissional  do Direito assistir...).
Ali mesmo, formei ima opinião bem firme:
PENA DE MORTE: SOU CONTRA! DE CABEÇA E DE CORAÇÃO.
Acho que a JUSTIÇA não deve se igualar a assassinos e deliberar sobre a vida de qualquer ser humano.

OBS 1: Fiz especialização em Direito do Trabalho: É mais fácil lidar com o patrimônio das pessoas do que com a Vida delas.
OBS 2: Não sou Jurista, nem Advogada. Sou bacharel em Direito e acredito que  a chamada JUSTIÇA DOS HOMENS é necessária, apesar de ter falhas.
OBS 3: DIREITO PENAL??????Ih! É complicado demais pro meu coração...

7 de jan de 2013

AVISO AOS NAVEGANTES: ESSA POSTAGEM É REPETECO.

O LINDO LAGO DO AMOR
Gonzaguinha

“E bem que viu o bem-te-vi,
A sabiá sabia já.
A lua só olhou pro sol;
A chuva abençoou
O vento diz "ele é feliz"
A águia quis saber
Por quê, por que, pourquoi será
O sapo entregou
Ele tomou um banho d'água fresca
No lindo lago do amor
Maravilhosamente clara água
No lindo lago do amor.”


É difícil encontrar uma pessoa adulta que nunca tenha mergulhado nesse lago.
Raras vezes o lago é calminho... Normalmente é profundo, intenso e requer muita coragem para mergulhar de cabeça. As águas desse lago são claras, tépidas e atraentes.
Seria, esse lago, encantado???

Entretanto, nesse lago só cabe um par de pessoas... se uma terceira pessoa entrar, a água fica revolta, turva e malcheirosa. Alguém deve sair do lago. E, nesse caso, as margens do lago tornam-se agressivas, inóspitas e pontiagudas... quem sair vai ficar esfolado(a) mas sobrevive e pode atravessar o terreno hostil que margeia o lago ou ainda, procurar outro lago pra mergulhar.
A segunda hipótese pode ser arriscada demais... quem saiu do lago está esfolado... suas feridas podem sangrar e poluir o novo lago do amor.

Então, pense suas próprias feridas, recomponha-se, ame-se e só então mergulhe novamente... ou não!

O primeiro lago do amor em que mergulhamos é inesquecível... e no meu caso, depois de curadas as feridas do corpo e da alma, a lembrança é boa.
Nunca mais quis me arriscar no lago, e me satisfiz em flutuar no mar.
Confesso aqui minha "covardia"!



"A SABIÁ SABIA JÁ."

4 de jan de 2013

DESBRAVANDO... "MEUS NATAIS"

"Entre pessoas maduras é diferente. Desbrava-se o conhecido. O conhecimento é reconhecimento." Affonso Romano de Sant'Ana
Eu já sou prá lá de madura: conheço, reconheço e, considerando o "conhecido", planejo o desconhecido.
Lembro de quando eu era criança... não haviam enfeites... havia um congraçamento familiar especial na noite do dia 24/12, íamos dormir um pouco mais tarde do que costumeiramente e, nós crianças, deixávamos um sapato aos pés da cama e, enquanto dormíamos, Papai Noel deixava um presente/surpresa. Naquele dia, o almoço era festivo.

Lembro de quando eu era adolescente... meus pais providenciavam um pinheiro natural (araucária...) e o enfeitávamos... eu achava lindo!!!!! A noite 24/25 era chiquérrima.

Quando casada e mãe (anos '70), fiz uns poucos enfeites de Natal, mas nunca fiz presépio...
Como tinha filhos crianças, confesso que deixei o consumismo tomar conta de mim... o Natal passou a girar em torno de presentes e comidas...
Certa vez, contratamos um "Papai Noel", tornando-o o centro da festa... outra vez, enfrentei uma loja concorridíssima, no dia 24 de dezembro, para comprar um último presente pro meu filho mais novo...

No 'meu' primeiro Natal depois da separação matrimonial, comprei uma arvorezinha, alguns pequenos enfeites e... a pequena árvore ficou até bonita, mas olhei pra ela e tive vontade de jogar aquele NATAL pela janela... a separação me machucara muito e era bem recente. Em pranto, telefonei pro psicoterapeuta que me atendia regularmente... lembro bem das palavras dele: 
"- Você ainda tem família... pai, mãe, filhos,, sobrinhos... você não QUER jogar o Natal pela janela, isso é só uma reação passional. Cante... grite... dance... dê socos nas almofadas...
Seus filhos vão ficar felizes de ver o NATAL aí na sua casa!". 
Quando desliguei o telefone, percebi que poderia encarar o Natal... aquela atitude profissionalmente compreensiva fora suficiente.
Naquele Natal, meu filho mais novo  ganhou um gato do pai dele... logo o gato passou a ser 'nosso' e depois passou a ser meu... foi um presente de Deus pra minha nova família... pra nova EU...

Meu gosto por decoração natalina foi ganhando espaço naquele pequeno apartamento, cujas paredes me abrigaram até quando a doença neurológica me obrigou a construir esta casa.
Demorei um pouco para me sentir EM CASA. Mas logo chegou dezembro e, com ele, o Natal... então, eu já era uma mãe cadeirante e divorciada... mãe de filhOs (homens). Na noite do dia 24 de dezembro eu teria que dividir a atenção dos meus filhos com o pai deles e a família das noras (os filhOs pendem pro lado da família da mulher deles e é natural ser assim). Encarei o desafio e resolvi fazer o "meu" Natal um pouco antes do dia 24... e assim garanti um bom "ibope familiar"... 
Paralelamente, minha condição  de cadeirante mais a necessidade de ter sempre alguém me ajudando fizeram com que os vizinhos e suas crianças me tomassem por uma pessoa totalmente inválida e ranzinza... pensei em "limpar" a imagem de TODOS OS CADEIRANTES E IDOSOS e comecei a promover o que chamei de "Natal da Vovó", numa festa que contou com os vizinhos e distribuição de presentes a todas as crianças convidadas.

...

No Natal de 2011, realizei um "sonho de consumo natalino" ;-) e montei uma Árvore de Natal bem grande (dessas que se precisa de escada pra enfeitar lá em cima...). Em compensação, mudei o NATAL DA VOVÓ, para o ANIVERSÁRIO DE JESUS ... distribui lembrancinhas e cada criança soprou uma velinha num "capcake" e todos cantaram parabéns, pra Jesus.

Em 2012 montei a Árvore de cabeça pra baixo e organizei uma brincadeira própria de aniversário (uma grande bola recheada de coisinhas natalinas...) e distribui lembrancinhas expostas na mesa. Senti que agradou aos convidados, mas... o "ibope familiar" baixou e eu não gostei dessa parte.
Sorte que ainda tenho um ano inteiro pra decidir sobre este novo desafio ;-).

Em 2013...??????