PÁGINAS INDEPENDENTES

4 de jan de 2013

DESBRAVANDO... "MEUS NATAIS"

"Entre pessoas maduras é diferente. Desbrava-se o conhecido. O conhecimento é reconhecimento." Affonso Romano de Sant'Ana
Eu já sou prá lá de madura: conheço, reconheço e, considerando o "conhecido", planejo o desconhecido.
Lembro de quando eu era criança... não haviam enfeites... havia um congraçamento familiar especial na noite do dia 24/12, íamos dormir um pouco mais tarde do que costumeiramente e, nós crianças, deixávamos um sapato aos pés da cama e, enquanto dormíamos, Papai Noel deixava um presente/surpresa. Naquele dia, o almoço era festivo.

Lembro de quando eu era adolescente... meus pais providenciavam um pinheiro natural (araucária...) e o enfeitávamos... eu achava lindo!!!!! A noite 24/25 era chiquérrima.

Quando casada e mãe (anos '70), fiz uns poucos enfeites de Natal, mas nunca fiz presépio...
Como tinha filhos crianças, confesso que deixei o consumismo tomar conta de mim... o Natal passou a girar em torno de presentes e comidas...
Certa vez, contratamos um "Papai Noel", tornando-o o centro da festa... outra vez, enfrentei uma loja concorridíssima, no dia 24 de dezembro, para comprar um último presente pro meu filho mais novo...

No 'meu' primeiro Natal depois da separação matrimonial, comprei uma arvorezinha, alguns pequenos enfeites e... a pequena árvore ficou até bonita, mas olhei pra ela e tive vontade de jogar aquele NATAL pela janela... a separação me machucara muito e era bem recente. Em pranto, telefonei pro psicoterapeuta que me atendia regularmente... lembro bem das palavras dele: 
"- Você ainda tem família... pai, mãe, filhos,, sobrinhos... você não QUER jogar o Natal pela janela, isso é só uma reação passional. Cante... grite... dance... dê socos nas almofadas...
Seus filhos vão ficar felizes de ver o NATAL aí na sua casa!". 
Quando desliguei o telefone, percebi que poderia encarar o Natal... aquela atitude profissionalmente compreensiva fora suficiente.
Naquele Natal, meu filho mais novo  ganhou um gato do pai dele... logo o gato passou a ser 'nosso' e depois passou a ser meu... foi um presente de Deus pra minha nova família... pra nova EU...

Meu gosto por decoração natalina foi ganhando espaço naquele pequeno apartamento, cujas paredes me abrigaram até quando a doença neurológica me obrigou a construir esta casa.
Demorei um pouco para me sentir EM CASA. Mas logo chegou dezembro e, com ele, o Natal... então, eu já era uma mãe cadeirante e divorciada... mãe de filhOs (homens). Na noite do dia 24 de dezembro eu teria que dividir a atenção dos meus filhos com o pai deles e a família das noras (os filhOs pendem pro lado da família da mulher deles e é natural ser assim). Encarei o desafio e resolvi fazer o "meu" Natal um pouco antes do dia 24... e assim garanti um bom "ibope familiar"... 
Paralelamente, minha condição  de cadeirante mais a necessidade de ter sempre alguém me ajudando fizeram com que os vizinhos e suas crianças me tomassem por uma pessoa totalmente inválida e ranzinza... pensei em "limpar" a imagem de TODOS OS CADEIRANTES E IDOSOS e comecei a promover o que chamei de "Natal da Vovó", numa festa que contou com os vizinhos e distribuição de presentes a todas as crianças convidadas.

...

No Natal de 2011, realizei um "sonho de consumo natalino" ;-) e montei uma Árvore de Natal bem grande (dessas que se precisa de escada pra enfeitar lá em cima...). Em compensação, mudei o NATAL DA VOVÓ, para o ANIVERSÁRIO DE JESUS ... distribui lembrancinhas e cada criança soprou uma velinha num "capcake" e todos cantaram parabéns, pra Jesus.

Em 2012 montei a Árvore de cabeça pra baixo e organizei uma brincadeira própria de aniversário (uma grande bola recheada de coisinhas natalinas...) e distribui lembrancinhas expostas na mesa. Senti que agradou aos convidados, mas... o "ibope familiar" baixou e eu não gostei dessa parte.
Sorte que ainda tenho um ano inteiro pra decidir sobre este novo desafio ;-).

Em 2013...??????

19 comentários:

  1. OI Jan, vim tomar um cafezinho com você.
    Gotei muito de seu texto, ainda não consegui colocar em casa uma arvore que precise de escada, é um sonho da familia, presepio também não, mas quem sabe neste natal possa realizar este desejo, acho muito lindo a época de natal, traz-me algumas tristezas, saudades e lembrança de épocas de meus natais passados, principalmente quando era uma menina, também não havia presente fui ganhar só quando já tinha sete anos,aqueles bonecões sem roupa, foi uma alegria. Hoje já é mais complicado dar presentes para os filhos, eu dou quando quero ou quando precisam, em uma época tudo era tão difícil quando as meninas eram pequenas que as acostumei a escolherem o que realmente precisam.
    Parabéns pelo seu carinho em fazer pessoas felizes, tens um coração lindo.
    Feliz em estar aqui novamente, Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Verinha!
      Que bom você ter vindo tomar café comigo!
      Tomar cafezinho com amigas e me deslumbrar diante de decorações natalinas são coisas que alegram minha vida.

      Abração
      Jan

      PS: Quantas "meninas" você tem?

      Excluir

  2. Olá JAN,

    Bacana esta retrospectiva que você fez de seus Natais. Gostei de sua criatividade para manter o ibope das reuniões natalinas.

    Um belo e feliz 2013 para você.

    Beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom te ver por aqui, Vera!

      Tenha um feliz 2013!
      TIM, TIM!

      Excluir
  3. Oi, Jan!
    Que linda retrospectiva! Depois que li seus Natais lembrei dos meus. Também lembrei novamente daquela música que Lulu Santos canta... Como uma onda

    "Nada do que foi será de novo do jeito que já foi um dia. Tudo passa. Tudo sempre passará"

    A vida é tão interessante, né. :)

    Um lindo 2013 para você, Jan!
    Beijos no coração

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, Daiana... "a vida é tão interessante"!
      Sabe, foi bom eu ter escrito esta retrospectiva... cada comentário que leio aqui, me ajuda a desbravar ;-)

      Abração
      Jan

      Excluir
  4. Adorei Jan!
    Sabe, natal pra mim sempre foi uma data triste, não sei ao certo,
    mas sinto uma melancolia fora do normal.
    No ano passado, meu natal teve somente 7 pessoas, eu já me acostumei com isso. Me sinto melhor assim.

    Vai entender né? rs


    Nesse Natal tire fotos, arrase com a surpresa rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Nathy!
      Vou considerar seu comentário como um dado da questão. Talvez meus filhos prefiram menos gente...

      Abração
      Jan

      Excluir
  5. Já havia lhe dito,Jan, e torno a repetir que acho tua iniciativa do Natal antecipado, sensacional, por todos os motivos que vc listou e mais pela alegria agregadora que desencadeia.
    Eu sugiro que em 2013 vc some as idéias feitas que acabarão sendo novas.Pode montar um painel com fotos dos Natais anteriores e fazer uma votação da melhor lembrança da data para cada um e assim já vai anotando o planejamento p/2014.Que tal?
    Abraços festivos,
    Calu

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Calu!
      Valeu pela dica... legal!
      A data antecipada vai continuar e a ideia do painel é sentimentalmente ótima, além de decorativa.

      Abração
      Jan

      Excluir
  6. Perfeito, Jan!!!
    Natal é isso mesmo!!! Inovar e não esquecer nunca do Aniversariante!! Você é corajosa!!! Continue inovando nos Natais!! Mas quero ver como ficou essa árvore de cabeça pra baixo! Fotografou?
    Tenho certeza que o de 2013 será um espetáculo!!!
    Tenha um maravilhoso ano!!Beijão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Graça, que bom te ver por aqui!!!
      Coragem... geralmente acompanha quem não muito a perder.;-)

      Tem foto da árvore de cabeça pra baixo, no post de 01/12/2012.

      Abração
      Jan

      Excluir

  7. Olá!Boa tarde!
    Jan.
    Tudo bem?
    ...à medida que avançamos com a nossa vida, as pessoas que conhecemos, as coisas que fazemos, e as emoções que sentimos nunca permanecem as mesmas. Impreterivelmente, até mesmo as nossas emoções são muitas das vezes imprevisíveis. Aquilo que sentimos exatamente de uma determinada forma hoje, muito provavelmente não poderá ser sentida da mesma forma novamente.Tudo na vida vai e vem, mas há uma coisa que não se altera: o passado. Algo como palavras pronunciadas, oportunidades que foram ignoradas e eventos que há muito tempo que aconteceram. Este é aquele tipo de coisas que não podemos ter de volta ou voltar atrás, são coisas que nunca poderemos ter novamente e da mesma forma.No que diz respeito por exemplo aos assuntos do coração, no Natal,todas as pessoas que viveram a separação ou perda no amor, certamente sentiram dor e mágoa. Quando estas coisas acontecem, as pessoas quase sempre optam por viver na solidão. Inicialmente, este é apenas um mecanismo de enfrentamento que temos como seres humanos para diminuir a dor, mas que bom que você não se deixou levar.Sábias palavras do psicoterapeuta. E você pode fazer a melhor escolha para si mesmo.
    Lembranças boas do passado ficam sempre, tal como as menos boas, e que bom que vc compartilhou conosco. Mostrando me a sua criatividade, acreditando, fazendo coisas para manter o verdadeiro espírito natalino no presente , sempre construindo em prol de perspetivar o futuro de seus Natais. Gostei.
    Obrigado pelo carinho da visita!
    Ótima semana!
    BeijoS
    ClicAki Blog(IN)FELIZ13

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Felisberto, aquele psicólogo foi a pessoa certa posta na minha vida na hora certa... e como me ajudou a superar aquele momento.
      Mas passou... como vc mesmo diz, tudo passa.

      Abração
      Jan

      Excluir
  8. Que lição de vida tive agora querida Jan!
    Você é fora de série minha querida, tenho muita admiração pela mulher linda que você é...beijinhos em seu coração lindo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Maria Teresa, obrigada pelo elogio!
      Eu apenas danço conforme a música que a vida toca ;-) e, se a "parceria" deu certo, foi sorte minha...

      Excluir
  9. Eu vejo muitas pessoas tristes e melancólicas no Natal, até mesmo revoltadas, inclusive as cristãs! Algo que não consigo conciliar porque, mesmo que não seja a real data de nascimento de Cristo, ter um dia para lembrar dEle de modo especial (claro que o cristão de verdade lembrará todos os dias) é importante. Mas não, as pessoas tem um lado negativista tão forte, que preferem se ater às dores.
    Serão as melodias tristes do Natal? Será o consumismo? Será que existem culpados?
    Eu creio que se existem, somos nós mesmos e seu psicoterapeuta foi um grande conselheiro.

    => CLIQUE => ESCRITOS LISÉRGICOS...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É Christian... o Natal, por si só, deveria estar acima de qualquer sentimento Humano, né?
      Mas... a comemoração ficou muito familiar... a "culpa" é nossa sim.

      Excluir
  10. Olá Jan:
    Convite vindo de você, não recuso de maneira nenhuma.
    Pois então, estou mais animadinha com o natal, rsrsrsrs.
    Ideias e criatividade, nunca me faltaram.
    Creio que o que falta de verdade é mais empolgação por parte do meu marido.
    Então, tenho que pensar e agir em dose dupla.
    Enfim, hora de arregaçar as mangas, estufar o peito e inventar alguma coisa pra comemorar essa data especial.
    Bjs.:
    Sil

    ResponderExcluir

QUE BOM QUE VOCÊ VEIO!
PRETENDO RESPONDER AO SEU COMENTÁRIO...
SENTE-SE, TOME UM CAFEZINHO E CONVERSE COMIGO.

VOLTE SEMPRE