PÁGINAS INDEPENDENTES

7 de jan de 2013

AVISO AOS NAVEGANTES: ESSA POSTAGEM É REPETECO.

O LINDO LAGO DO AMOR
Gonzaguinha

“E bem que viu o bem-te-vi,
A sabiá sabia já.
A lua só olhou pro sol;
A chuva abençoou
O vento diz "ele é feliz"
A águia quis saber
Por quê, por que, pourquoi será
O sapo entregou
Ele tomou um banho d'água fresca
No lindo lago do amor
Maravilhosamente clara água
No lindo lago do amor.”


É difícil encontrar uma pessoa adulta que nunca tenha mergulhado nesse lago.
Raras vezes o lago é calminho... Normalmente é profundo, intenso e requer muita coragem para mergulhar de cabeça. As águas desse lago são claras, tépidas e atraentes.
Seria, esse lago, encantado???

Entretanto, nesse lago só cabe um par de pessoas... se uma terceira pessoa entrar, a água fica revolta, turva e malcheirosa. Alguém deve sair do lago. E, nesse caso, as margens do lago tornam-se agressivas, inóspitas e pontiagudas... quem sair vai ficar esfolado(a) mas sobrevive e pode atravessar o terreno hostil que margeia o lago ou ainda, procurar outro lago pra mergulhar.
A segunda hipótese pode ser arriscada demais... quem saiu do lago está esfolado... suas feridas podem sangrar e poluir o novo lago do amor.

Então, pense suas próprias feridas, recomponha-se, ame-se e só então mergulhe novamente... ou não!

O primeiro lago do amor em que mergulhamos é inesquecível... e no meu caso, depois de curadas as feridas do corpo e da alma, a lembrança é boa.
Nunca mais quis me arriscar no lago, e me satisfiz em flutuar no mar.
Confesso aqui minha "covardia"!



"A SABIÁ SABIA JÁ."

6 comentários:

  1. Jan, vim aqui tomar um café com você.
    Admito aqui, a minha ignorância em não conseguir interpretar seu texto. A composição consegui, o texto, não sei se refere-se ao amor ou a outra coisa.
    Se for ao amor, uma terceira pessoa a mergulhar no lago, deve ser com o consentimento das duas que ali já estão, ou pode realmente resultar em algo catastrófico.
    Por fim, todos temos receios, nem tudo é covardia. Covardia para mim é quem faz maldade por trás...

    => CLIQUE => ESCRITOS LISÉRGICOS...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Chris! Puxa uma cadeira e senta.
      Confesso que este texto ficou um tanto quanto metafórico;-) e parte de um ponto de vista pessoal... refiro ao amor conjugal.
      Usei a expressão "covardia" como ausência de coragem...

      Sabiá: é uma ave extremamente territorialista... pesquisei e observei: aqui no meu quintal tem bastante sabiá (é uma cantoria!!!!), e outras espécies até se aventuram... mas sai cada briga...kkkkkk

      Excluir
  2. Boa tarde Jan,
    Entendi perfeitamente seu texto e achei-o lindo, escreveste com suavidade sobre este assunto, já mergulhei neste lago de cabeça a um amor intenso que resultou duas maravilhosas filhas que são tudo em minha vida. Claro que nem sempre este lago foi calmo e tranquilo, entro uma outra pessoa e por fim que saiu fui eu, esfolada, porem viva, depois de alguns anos encontrei um lago cristalino, límpido, com medo fui entrando aos poucos e hoje já não quero mais sair.
    Não penso que seja a ausência de coragem e sim que talves não apareceu o lago que valesse a pena mergulhar.
    Adorei seu post, intenso e profundo, me fez recordar, só as coisas boas é claro. Beijinhos querida amiga.

    ResponderExcluir
  3. Olá Dª Vera Lucia... (Verinha?)
    É... talvez não tenha aparecido um lago mais transparente.
    Bem, não sei.
    Só sei que é bom poder dividir essa experiência aqui e receber comentários.
    Valeu, amiga!

    ResponderExcluir
  4. Você falou bem, Jan... É um lago que requer muita coragem para mergulhar! Mas é tão bom, né. Apesar de. É bom.

    Adorei sua metáfora! Eu que adoro água, nunca havia pensado o relacionamento amoroso dessa forma. Agora esse texto vai ficar guardadinho na memória. :)

    Jan, lendo seu texto, não considero covardia sua não ter mergulhado no lago, talvez você deva ter encontrado ele raso demais ou sem água. Não dá para mergulhar assim, não é verdade?!

    Um terno abraço
    e uma semana iluminada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É Daiana, mergulhar pela primeira é adrenalina pura e faz bem. Machucamo-nos na saida, mas saimos 'batizados' de amor... e meu mergulho foi bastante profundo.
      Nada contra a que se mergulhe novamente... mas é arriscado demais. E, no segundo mergulho, fica-se mais seletiva quanto à qualidade da água;-)

      Volte sempre!

      Excluir

QUE BOM QUE VOCÊ VEIO!
PRETENDO RESPONDER AO SEU COMENTÁRIO...
SENTE-SE, TOME UM CAFEZINHO E CONVERSE COMIGO.

VOLTE SEMPRE