PÁGINAS INDEPENDENTES

19 de abr de 2012

A ideia deste post surgiu de uma visita ao blog http://fractaisdecalu.blogspot.com da amiga Carmem Luiza. Pra começar, uso uma frase copiada de lá...

Amor aos Pedaços__ 2ª Fase- Desencanto

"Os desencantos na meninice provocam mais que um sonho desfeito, derrubam os primeiros alicerces daquela personalidade em construção. Amontoam inseguranças, medos, culpas e desconfiança no futuro. Mexem com as certezas mais simples e abrem fendas no chão conhecido. Os estragos são grandes e levam tempo para serem consertados."
Não tenho lembrança consciente do ocorrido, mas fiquei sabendo...
Eu tive uma irmãzinha menor -Marisa-, quando tinha pouco mais de dois anos.
Numa ocasião, Marisa teve meningite e, tratando-se de uma doença altamente contagiosa, fui contaminada. Morávamos em um pequeno lugar e fomos até a cidade grande mais próxima em busca de socorro médico.
Eu resisti à viagem e fui socorrida a tempo, mas a Marisa/nenê chegou morta ao hospital... Minha mãe mergulhou na própria dor e tornou-se muito rigorosa... brava mesmo e muito triste.
Meu inconsciente infantil formou o conceito de que se eu tivesse morrido em vez da Marisa, minha não sofreria tanto. Eu fantasiava que ela seria uma menina linda (será que seria?) e carregava um peso que não era meu... de uma vida que não era minha.
Cresci e tornei-me adolescente trazendo um emaranhado de "inseguranças, medos, culpas e desconfiança no futuro."
Eu amava meu noivo com intensidade e verdade, mas (inconscientemente) via no casamento uma chance de ser EU.
Ledo engano... NINGUÉM SE ENCONTRA NO PARCEIRO!
A separação iminente me assustou... precisei de ajuda profissional. Um dia, em meio à sessão, a psicóloga me encarou com firmeza e disse:
"Janice, a vida que você vive é legitimamente sua...foi Deus quem a deu... você não a usurpou de ninguém!".
Bem, naquela manhã a sessão se prolongou;-)
Quando o divórcio tornou-se concreto (já era fatal...), eu já estava liberta da insegurança.
Já começara a trabalhar e tive algum tempo para me encontrar na minha própria dor de amor... era dor, mas era DE AMOR e era MINHA.
Foi o começo!
Depois veio a cadeira de rodas e comecei a REcomeçar.
Hoje minha alma é como borboletas que se libertaram do próprio casulo.

10 comentários:

  1. Lindo,

    Lindoooo,

    Lindooooooooooooo


    ''alma leve, tem formato de borboleta''


    bjkas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sair do casulo é doloroso, mas valeu a pena poder "voar" com minhas próprias asas.

      Abração
      Jan

      Excluir
  2. Jan,
    fico toda orgulhosa que tenhamos sentido nas mesmas palavras, as situações tristes que ambas vivemos na infância.
    Não sei explicar por que tomamos a dor alheia como nossa e carregamos um fardo pesado em nossa jovem vida.Mas é fato que acontece e muito.
    Cada uma , a seu modo, consegui de se desvencilhar do embrulho e recomeçar a viver a própria vida.
    È certo que fortalece.È certo que dói.

    Obrigada por ter me permitido participar contigo deste relato.
    Bjkas,
    Calu

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É Calu, somos mais fortes do que nós!;-))))

      Abração
      Jan

      Excluir
  3. Que seja doce seu final de semana


    b jkas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E o seu... domingo também!

      Abração
      Jan

      Excluir
  4. Jan, querideza minha, tbm passei por esse ponto e quando mergulhamos na nossa dor e começamos a viver mais pela gente do que pelo outro a vida muda.

    bjos estalados de carinho nas duas bochechas!!!

    ps.: aprendi que teu nome é Janice :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Wooops!!! me entreguei.
      Ainda que não estou me escondendo de ninguém, né?;-)

      É, cada qual com sua própria cruz...

      Abração
      Jan

      Excluir
  5. Oi Jan,passeando pelos blogs encontrei o seu, e gostei muito do seu blog. Linda história. É muito importante valorizarmos nossa vida e principalmente sairmos do casulo.
    bjus e estou a te seguir.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Michele
      Que bom que vc aportou por aqui... e gostou... e "ficou";-)
      Vou aí, me aguarde.

      Abração
      Jan

      Excluir

QUE BOM QUE VOCÊ VEIO!
PRETENDO RESPONDER AO SEU COMENTÁRIO...
SENTE-SE, TOME UM CAFEZINHO E CONVERSE COMIGO.

VOLTE SEMPRE